Líder espiritual da Al-Qaeda no Sudeste Asiático é detido

Abu Bakar Bashir é ex-condenado por sua relação com os atentados de Bali de 2002

EFE |

AP
Abu Bakar Bashir é escoltado por policiais em Jacarta, na Indonésia

O clérigo radical Abu Bakar Bashir, de 72 anos, líder espiritual do braço da Al-Qaeda no Sudeste Asiático e ex-condenado por sua relação com os atentados de Bali de 2002, foi detido nesta segunda-feira pelas forças de segurança da Indonésia por envolvimento em atividades terroristas.

A unidade antiterrorista Densus 88 fez a detenção em Ciamis, uma pequena localidade do oeste da ilha de Java, no sudoeste da Indonésia, durante uma viagem do clérigo por diversas mesquitas da região para promover seu credo radical, segundo o jornal "Kompas".

Bashir, preso por instigar o maior atentado islamita após o dia 11 de Setembro, estava havia meses no ponto de mira das forças de segurança por sua suposta vinculação à rede terrorista com base em Aceh, ao norte da ilha de Sumatra, desarticulada em uma série de operações policiais durante o primeiro semestre deste ano seu campo de treinamento ter sido descoberto, indicou o porta-voz policial, Edward Aritonang. "Ele a abençoava e financiava. Sabia de todas as atividades (da rede de Aceh) porque recebia relatórios", explicou Aritonang.

Segundo a versão policial, o clérigo radical tinha um "papel-chave" na designação dos instrutores religiosos e dos líderes do campo de treinamento. Nesse grupo estava Dulmatin, terrorista que chefiou os atentados de Bali em 2002 e que, após contribuir para montagem das instalações, fugiu e morreu em março passado durante tiroteio com a polícia.

No entanto, a polícia indonésia ainda não realizou nenhuma declaração oficial sobre a detenção. Bashir foi relacionado a várias das figuras mais proeminentes dos movimentos islamitas da região, entre as quais destaca-se Noordin Mohammed Top, número um do terrorismo no Sudeste Asiático até ser morto em uma operação policial em 2009 após organizar o atentado de julho contra dois hotéis de luxo de Jacarta, que deixaram nove mortos.

Em mais de uma ocasião, Bashir acusou os serviços de inteligência dos EUA de estar por trás de alguns dos atentados islamitas executados em solo indonésio.

    Leia tudo sobre: indonésiaal-qaedaprisãoterrorismoásia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG