Líder do PPP tentará convencer partido de Sharif a voltar ao Governo

Islamabad, 15 mai (EFE) - O líder do governante Partido Popular do Paquistão (PPP), Asif Ali Zardari, disse hoje que tentará persuadir o ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif a que sua legenda, a Liga Muçulmana-N (PML-N), volte ao Governo de coalizão formado após as eleições de fevereiro.

EFE |

Zardari pediu ao chefe de Governo, Yousaf Raza Gillani, que não aceite, por enquanto, as demissões apresentadas pelos nove ministros da PML-N na segunda-feira passada e que espere suas conversas com Sharif, segundo um comunicado do escritório do primeiro-ministro.

O líder do PPP e Gillani se reuniram na casa do chefe de Governo e concordaram em "manter os ministérios vagos com a esperança de que os ministros da PML-N voltem em breve ao Gabinete", segundo a nota.

A Liga Muçulmana-N decidiu abandonar o Governo após comprovar que o PPP não estava disposto a reincorporar os juízes do Supremo que foram destituídos pelo presidente paquistanês, Pervez Musharraf, em novembro de 2007, durante a declaração do estado de exceção.

O porta-voz do PPP, Farhatullah Babar, explicou à Agência Efe que "Zardari e Sharif se reencontrarão em breve para abordar a situação", mas admitiu que não foi estabelecida uma data.

"Os esforços para que a PML-N volte ao Governo continuam sendo feitos", afirmou Babar, que não descartou uma aproximação, por parte PPP, da posição do partido de Sharif para chegar a um acordo.

No entanto, o comunicado acrescenta que, por enquanto, vários ministros adjudicarão as competências das pastas vazias.

Assim, o atual titular de Privatizações, Naveed Qamar, passará a controlar também o Ministério das Finanças, o mais importante ocupado pela Liga de Sharif.

O ex-primeiro-ministro insiste em que os juízes do Supremo devem ser reabilitados segundo o acordo de coalizão firmado por ambos os partidos após o pleito de 18 de fevereiro, enquanto Zardari alega problemas legais para restituí-los imediatamente.

O PPP estuda uma fórmula para dar lugar aos atuais juízes do Supremo (considerados próximos de Musharraf), assim como aos destituídos em 2007, entre eles o ex-presidente do Alto Tribunal, Iftikhar Chaudhry, responsável pelos casos contra a reeleição presidencial de Musharraf.

Enquanto Sharif reiterou desde as eleições a necessidade de reconduzir os juízes de forma imediata a seus cargos, o PPP se mostrou mais dividido.

O PPP e a Liga Muçulmana-N formaram um Governo de coalizão no Paquistão com outros dois pequenos partidos no final de março. EFE igb/rb/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG