Líder do Hamas rejeita discurso de Netanyahu sobre Estado palestino

Damasco, 25 jun (EFE).- O líder do Hamas, Khaled Meshaal, reiterou hoje, em Damasco, a rejeição de seu grupo ao discurso do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e sua visão de um Estado palestino desmilitarizado.

EFE |

Em uma declaração divulgada pelos canais de televisão árabes, Meshaal assegurou que não se surpreendeu com o discurso de Netanyahu, feito no último dia 14, porque "foi muito claro: anulou os direitos dos palestinos".

Além disso, "confirmamos nossa rejeição ao que (Netanyahu) chama de judaísmo de Jerusalém, porque cancela o direito de retorno de aproximadamente seis milhões de refugiados palestinos a suas casas", acrescentou Meshaal, que culpou o Ocidente, "representado pela Europa e pelos Estados Unidos, pelo extremismo israelense".

O "número um" do Hamas, exilado em Damasco, insistiu que deve haver "uma intenção e um esforço americano verdadeiro para pôr fim à ocupação (israelense)".

"E quando a Administração de (Barack) Obama tiver a iniciativa para isso, estaremos dispostos a cooperar com ela", afirmou Meshaal, para quem a postura do Governo americano está ainda "sendo analisada" por seu grupo.

Além disso, Meshaal deu as boas-vindas à "nova linguagem" de Obama em relação ao Hamas e o qualificou de um "primeiro passo no caminho correto rumo a um diálogo direto e incondicional" com seu movimento.

Sobre a reconciliação palestina, o dirigente do Hamas qualificou a campanha de prisões lançada contra membros de seu grupo na Cisjordânia como "principal obstáculo" ao diálogo entre seu movimento e as outras facções, lideradas pelo grupo nacionalista Fatah. EFE gb-hh/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG