Líder de esquerda colombiano adverte Obama sobre tensões por bases militares

Bogotá, 21 jul (EFE).- O senador colombiano Gustavo Petro, candidato presidencial de esquerda para as eleições de 2010, advertiu o governante dos Estados Unidos, Barack Obama, sobre as tensões desnecessárias criadas na região, com o anúncio do aumento da cooperação militar de Washington com Bogotá.

EFE |

Em carta divulgada hoje em Bogotá, Petro considerou que o acordo negociado pelos dois países não corresponde com a "nova visão" e a mudança na política internacional dos EUA promovida por Obama.

"A ampliação de um convênio ou acordo de cooperação militar da magnitude e alcance do anunciado, cria imediatamente tensões desnecessárias com nossos vizinhos do continente, especialmente na área andina e amazônica", afirmou o senador.

Petro escreveu a Obama que o acordo, detalhado há uma semana pelo Governo em Bogotá, "implicaria manter minimamente os 800 militares e outros 600 americanos contratados autorizados pelo Plano Colômbia".

"Não se sabe maiores detalhes sobre as equipes de rastreamento, inteligência, interdição e a presença e o transporte de tropas dentro do acordo, encaminhado segundo os anúncios, para aprofundar especialmente a chamada 'luta contra as drogas'", afirmou Petro.

O senador afirmou que se o objetivo for este, os dois Governos devem reconhecer "o fracasso de uma política comum", na qual os dois investiram "enormes somas de dinheiro e de recursos humanos (...) sem nenhum êxito", problema que também não será resolvido com uma "expansão de colaboração militar". EFE jgh/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG