O líder da oposição japonesa, Ichiro Ozawa, disse nesta quarta-feira que não pretende pedir demissão, após a prisão de seu secretário por aceitar contribuições de lobistas.

Takanori Okubo, secretário de Ozawa, foi detido na véspera sob a acusação de receber 14 milhões de ienes (113 mil euros) de lobistas ligados ao grupo de construção Nishimatsu Construction, entre 2004 e 2006.

"Não me sinto culpado de nada e meu assistente agiu legalmente, de acordo com a lei sobre o controle de doações para fundos políticos", disse o presidente do Partido Democrata do Japão (PDJ) em entrevista coletiva.

Sobre sua eventual demissão, Ozawa afirmou: "Não vou tomar qualquer decisão por conta deste assunto".

mis/LR

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.