Líder da oposição é indiciado por sodomia na Malásia

O líder da oposição na Malásia, Anwar Ibrahim, foi acusado formalmente de ter praticado sodomia, depois de uma audiência no Tribunal da capital, Kuala Lumpur. Ele se declarou inocente e afirmou que a acusação por ter sodomizado seu assessor é maliciosa e tem motivações políticas.

BBC Brasil |

A sodomia é ilegal na Malásia e caso seja considerado culpado, Ibrahim pode ser condenado a até 20 anos de prisão.

Ibrahim foi libertado após pagamento de fiança depois da audiência de quinta-feira.

Em 1998, então vice-premiê, ele foi destituído do cargo após sofrer acusações similares e cumpriu pena de seis anos até a suspensão do veredicto que o considerou culpado.

Apoio
Sua chegada ao Tribunal de Kuala Lumpur foi agitada e acompanhada por dezenas de partidários que gritavam "reformasi" - slogan do movimento fundado por Anwar Ibrahim.

Segundo o correspondente da BBC na capital malaia, Robin Grant, uma pesquisa recente indicou que poucos malaios acreditam que Ibrahim tenha cometido sodomia.

Ele liderou o sucesso da oposição nas eleições gerais em março deste ano e afirmou que as acusações contra ele são uma tentativa de sabotar seu retorno à política.

Ele acusou o primeiro-ministro, Abdulahh Badawi, de orquestrar uma campanha contra ele - alegação que foi negada pelo premiê.

As acusações contra Anwar Ibrahim coincidem com sua preparação para tentar uma cadeira no Parlamento, já que sua proibição de concorrer a cargos públicos expirou em abril.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG