Líder da Igreja americana teria acobertado padre acusado de pedofilia

O cardeal americano William Levada, ardente defensor do papa Bento XVI diante dos escândalos de pedofilia na Igreja Católica, organizou, nos anos 1990, o traslado de um padre acusado de ter abusado sexualmente de menores, sem avisar aos paroquianos sobre o seu passado, informou neste sábado uma fonte judicial.

AFP |

Em um longo depoimento realizado sob juramento em janeiro de 2006 - cuja transcrição a AFP teve acesso através de uma advogada das vítimas de padres pedófilos do Oregon (oeste dos EUA) -, o chefe da Igreja Católica americana conta como decidiu transferir o padre, depois que este tinha feito terapia, na época em que era arcebispo de Portland, ou seja, entre 1986 e 1995.

"Os abusos se referem a 20 anos atrás (...), os terapeutas afirmavam que ele já não representava perigo para ninguém, e que seria mais prudente dar a ele um novo cargo, que se ele tivesse um cargo em condições minimamente estressantes ajudaria", explicou o cardeal Levada sobre os fatos ocorridos em meados dos anos 1990.

Questionado se havia informado os paroquianos sobre o passado do sacerdote - que teria tido contatos sexuais com adolescentes nos anos 1970 -, o cardeal respondeu que não.

"Tomei a decisão que me pareceu mais sábia, dando a eles todos os detalhes do padre (...) e exigindo que se reunissem com ele semanalmente para vigiá-lo", declarou o cardeal, que qualificou sua própria atitude de "responsável", já que, acredita, tomou "uma decisão ineludível".

Para ele, informar os fiéis sobre o passado do padre "poderia ter consequências e prejudicar o ministério" do sacerdote.

lum/cel/lb-mvv

    Leia tudo sobre: pedofilia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG