La Paz, 24 abr (EFE).- O dirigente camponês boliviano Román Loayza, até agora um dos líderes do setor mais leais ao presidente da Bolívia, Evo Morales, criticou hoje o Governo do país e anunciou sua possível candidatura à Presidência nas eleições de 6 de dezembro.

Loayza foi deputado pelo governamental Movimento Ao Socialismo (MAS), líder dos camponeses do país e, em 2007, foi o chefe dos constituintes desse partido que redigiram uma Constituição posteriormente modificada no Congresso.

Em declarações hoje ao canal de televisão "Red Uno", Loayza disse que organizações sociais consideram necessário "reencaminhar o processo" de mudanças liderado por Morales, apesar de não identificar concretamente a que assunto se referia especificamente.

"Se eu ganhasse o Governo, trabalharia diretamente com as organizações sociais", disse o sindicalista, afirmando que são as bases que devem dirigir as mudanças "a partir de baixo".

Segundo Loayza, muitos dirigentes aprovaram a gestão de Morales, mas têm conflitos com seus militantes de base porque têm uma visão diferente à do presidente.

O líder camponês assegurou que uma das principais críticas ao chefe de Estado boliviano é a de que teria se "rodeado de um gabinete ministerial neoliberal".

Loayza acrescentou que há organizações de base que opinam que se Morales "não mudar de atitude", pode haver outra candidatura presidencial e que esta poderia ser a sua.

Há poucos dias, a Confederação de Indígenas do Oriente da Bolívia (Cidob), uma entidade emblemática que reúne as etnias minoritárias do país, também anunciou seu afastamento de Morales. EFE ja/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.