Líbia: Vala comum com restos mortais de 1,2 mil detentos é achada

Segundo CNT, vítimas seriam prisioneiros da cadeia de Abu Salim, em Trípoli, alvo de massacre promovido por Kadafi em 1996

iG São Paulo |

O Conselho Nacional de Transição (CNT, órgão político dos rebeldes líbios) afirmaram neste domingo que uma vala comum foi descoberta em Trípoli com restos mortais de 1.270 detentos da prisão de Abu Salim, alvo de um massacre promovido pelo governo do líder deposto Muamar Kadafi em 1996.

Segundo o CNT, a vala comum foi encontrada próximo à prisão Abu Salim, onde uma rebelião em 26 de junho de 1996 foi reprimida com forte violência pelo governo de Kadafi. O presídio era usado por Kadafi para deter opositores.

O médico Ibrahim Abu Sahima, que integra o CNT, afirmou que a vala comum foi encontra há duas semanas e que ajuda internacional será pedida para identificar os restos mortais.

A descoberta da vala comum teria acontecido após uma informação dada por um partidário de Kadafi preso em Trípoli pelas forças do CNT.

AP
Forças do CNT disparam contra partidários de Kadavi em rua próxima ao centro de Sirte (24/09)

Combates continuam acontecendo neste domingo em Sirte, um dos dois últimos redutos do regime deposto e cidade natal de Kadafi. Há relatos de que as forças do CNT suspenderam temporariamente a ofensiva na cidade para que a Otan possa fazer ataques aéreos.

Combatentes do CNT haviam feito importantes ganhos militares no ataque de sábado contra a cidade, quando entraram pelo leste e oeste, chegando a cerca de 1km do centro. Não há evidencias de que Kadafi está em sua cidade natal.

Um combatente do CNT disse à agência Reuters que atiradores de elite leais a Kadafi disparam do alto de prédios. Não há estimativa sobre o número de mortos.

No último fim de semana, o CNT tentou tomar a cidade mas encontrou resistência maior do que a esperada e foi repelido. A Otan vem auxiliando as forças do CNT com bombardeios aéreos.

Mais de 1.300 famílias deixaram a cidade na última semana, de acordo com o CNT. A outra cidade leal ao coronel é Bani Walid, ao sudeste de Trípoli.

Dinheiro

No sábado, o premiê interino líbio, Mahmoud Jibril, falou à Assembleia Geral da ONU, em Nova York, afirmando que uma nova e democrática Líbia estaria "nascendo" e se integrando à comunidade internacional. Jibril pediu para que os estados membros da ONU liberem o dinheiro do governo líbio congelado por conta de sanções, "para assegurar a reconstrução e reabilitação do país".

O CNT criticou um canal de TV sírio pró-Khadafi que divulgou na sexta-feira uma mensagem de áudio da filha do líder deposto, Aisha. O novo governo do país argumenta que Aisha, que recebeu asilo político na Argélia por razões humanitárias, não deveria poder fazer declarações políticas.

Com AP e BBC

    Leia tudo sobre: líbiakadafimundo árabeotansirterebeldes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG