Líbia rejeita indenização a vítimas do IRA

A Líbia rejeitou nesta segunda-feira as demandas de indenização feitas por vítimas do Exército Repúblicano Irlandês (IRA), na última repercussão do caso da libertação do líbio condenado pelo atentado de Lockerbie.

AFP |

Esta nova polêmica vem abalar um pouco mais a situação do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, já criticado por sua gestão das relações com Trípoli desde a controversa libertação, no fim de agosto, de Abdelbaset al-Megrahi, a única pessoa condenada pelo atentado de Lockerbie, que deixou 270 mortos em 1988.

Seif al-Islam, um dos filhos do dirigente líbio Muammar Kadhafi, avisou que Trípoli rejeitará qualquer pedido britânico de indenização das vítimas de atentados cometidos pelo IRA, uma organização que recebeu material bélico da Líbia.

Este litígio será resolvido "nos tribunais", advertiu Seif al-Islam, que não tem cargo oficial no governo líbio mas que desempenhou um papel importante na resolução do problema da indenização das vítimas americanas do terrorismo nos anos 80.

"Todo mundo pode vir e bater na nossa porta. Podem recorrer a um tribunal. Elas (as famílias de vítimas) têm seus advogados, nós temos os nossos", declarou ele ao canal de TV britânico Sky News.

Britânicos feridos nos atentados do IRA e pais de vítimas pediram indenizações à Líbia, suspeita de ter fornecido armas e explosivos ao movimento republicano nos anos 80 e 90.

Depois de revelações da imprensa, o governo britânico publicou no domingo uma carta enviada por Brown a Jason McCue, o advogado das vítimas, em outubro de 2008.

No texto, o primeiro-ministro considerava inadequado conversar sobre indenizações com Trípoli, para não prejudicar a cooperação com a Líbia.

Poucas horas depois, Brown prometeu apoiar ativamente os parentes de vítimas em seus trâmites legais.

Ele anunciou que diplomatas prestarão assistência a seus representantes, que devem viajar à Líbia nas próximas semanas para abrir negociações diretas com Muammar Kadhafi sobre o assunto.

Brown justificou sua nova posição afirmando que as famílias de vítimas têm mais chances que o governo britânico de conseguir concessões de Trípoli.

Em outubro de 2008, Trípoli finalizou o pagamento de 1,5 bilhão de dólares em indenizações às vítimas americanas do atentado de Lockerbie e do de 1986 contra a discoteca "La Belle" em Berlim, muito frequentada por soldados americanos, que deixou três mortos e 260 feridos.

cyb/yw/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG