Líbia encontra 100 corpos de imigrantes afogados

TRÍPOLI - Autoridades da Líbia recuperaram os corpos de 100 imigrantes que tentavam alcançar a Europa e se afogaram após seu barco ter naufragado, disseram oficiais nesta quarta-feira.

Reuters |

"Setenta e sete corpos de imigrantes foram levados pelas ondas à praia de Trípoli na noite de terça-feira e outros 23 corpos foram encontrados entre domingo à noite e terça-feira", disse uma autoridade à Reuters.

Autoridades acreditam que os imigrantes eram em cerca de 365 pessoas que estavam a bordo do barco, que supostamente sustentava apenas 75 pessoas.

AP
Sobreviventes do naufrágio são resgatados
Sobreviventes do naufrágio são resgatados

Os imigrantes eram somalis, nigerianos, eritreus, curdos, argelinos, marroquinos, palestinos e tunisianos, disseram as autoridades.

Além do barco que naufragou, outras três embarcações com imigrantes saíram da Líbia entre sábado e domingo, aparentemente pretendendo chegar à Itália, disseram autoridades da líbias.

A guarda costeira da Líbia resgatou 350 imigrantes, muitos deles mulheres e crianças, após o barco ter quebrado no domingo perto de um campo petrolífero do país, disseram.

"Quanto ao destino dos outros dois barcos, nós temos a informação de que um chegou à Itália, e pela última informação que recebemos, o outro barco deixou as águas da Líbia e apareceu perto de Malta", disse uma autoridade.

Há uma estimativa de que haja de 1 milhão a 1,5 milhão de imigrantes africanos na Líbia, atraídos pela demanda por mão-de-obra não especializada, de acordo com a Organização Internacional para a Migração (OIM).

A Líbia é ao mesmo tempo passagem e destino de imigrantes. A maioria fica com trabalhos excedentes para juntar dinheiro suficiente e pagar contrabandistas, que fazem viagens arriscadas à Itália.

Trípoli e Roma assinaram um acordo para unir as patrulhas marítimas para tentar impedir a passagem de migrantes ilegais. O acordo se tornará efetivo no dia 15 de maio.

Leia mais sobre imigração ilegal

    Leia tudo sobre: imigração ilegal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG