Tamanho do texto

Os dois cidadãos suíços detidos na Líbia, como represália pela breve detenção em Genebra de um dos filhos do líder Muammar Kadhafi, foram liberados, mas não podem deixar o país, informou nesta quarta-feira uma fonte oficial suíça.

Os dois homens, detidos no dia 19 de julho, foram liberados sob fiança na terça-feira à noite, indicou o ministro das Relações Exteriores suíço em um comunicado.

Atualmente estão na embaixada suíça em Trípoli, mas não têm a autorização de deixar o país, segundo o ministério, que indicou que ambos se encontram "em bom estado de saúde".

Um dos dois prisioneiros liberados é funcionário da empresa de engenharia suíço-sueca ABB.

Os escritórios da ABB e do grupo alimentício suíço Nestlé foram fechados pelas autoridades líbias. O presidente da Nestlé na Líbia, um cidadão egípcio, havia sido interrogado pela Polícia e posto em liberdade.

"As negociações bilaterais entre Suíça e Líbia são mantidas no plano diplomático para que as tensões entre ambos os países sejam superadas", segundo o Departamento Federal de Relações Exteriores (DFAE).

Hannibal Kadhafi e sua esposa haviam sido detidos no dia 15 de julho após uma queixa de duas empregadas domésticas, que acusavam o casal de tê-las maltratado.

O casal, que nega as acusações, foi liberado dois dias depois após pagar uma fiança de meio milhão de francos suíços.

O incidente provocou uma série de represálias por parte de Trípoli, que suspendeu o fornecimento de petróleo à Suíça, fechou vários escritórios de empresas suíças na Líbia e deteve dois cidadãos suíços.

ale/dm