Liberal-democratas discutem oferta de colaboração de conservadores no R.Unido

Londres, 8 mai (EFE).- O líder liberal-democrata britânico, Nick Clegg examinará neste sábado com seu grupo parlamentar e a direção de seu partido a oferta de colaboração em um futuro Governo feita pelo líder do Partido Conservador, David Cameron.

EFE |

Londres, 8 mai (EFE).- O líder liberal-democrata britânico, Nick Clegg examinará neste sábado com seu grupo parlamentar e a direção de seu partido a oferta de colaboração em um futuro Governo feita pelo líder do Partido Conservador, David Cameron. Cameron, que venceu o pleito da última quinta-feira no Reino Unido mas ficou a vinte cadeiras da maioria absoluta no parlamento, ofereceu na sexta-feira a possibilidade de coalizão com o partido de Clegg. O primeiro-ministro interino, Gordon Brown, cujo Partido Trabalhista foi o grande perdedor das eleições (embora por uma margem menor que a esperada por muitos após 13 anos de governo trabalhista), também se mostrou disposto a uma possível aliança com os liberal-democratas, caso eles não cheguem a um acordo com os Conservadores. As alianças, porém, teriam características diferentes. Enquanto uma parceria entre conservadores (306 cadeiras) e liberal-democratas superaria o número de 326, necessário para a maioria absoluta, a soma das cadeiras dos trabalhistas (258) com os liberal-democratas seria insuficiente. Segundo a Constituição não escrita do Reino Unido, o primeiro-ministro tem direito a tentar primeiro formar Governo, mas o próprio Brown reconheceu na sexta-feira que os conservadores, como grupo mais votado, podiam tentar antes que ele. Clegg e Cameron mantiveram na noite de sexta uma primeira conversa telefônica, qualificada como "muito construtiva", e representantes dos dois partidos realizaram também uma reunião para tratar a oferta. A proposta inclui a criação de um comitê integrado pelos partidos que seria responsável por estudar a principal exigência dos liberal-democratas, a reforma do sistema eleitoral, que prejudica os pequenos partidos. EFE jr/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG