Leon Panetta, ex-assessor de Clinton, vai dirigir a CIA

Por Andy Sullivan WASHINGTON (Reuters) - O presidente-eleito dos EUA, Barack Obama, escolheu o ex-chefe de gabinete da Casa Branca Leon Panetta para dirigir a CIA, disseram fontes democratas na segunda-feira.

Reuters |

A direção da agência de inteligência era um dos últimos cargos de primeiro escalão ainda vagos no governo Obama, que começa no dia 20.

Panetta tem relativamente pouca experiência em questões de segurança nacional. Depois de passar 16 anos no Congresso, ficou conhecido no governo Bill Clinton por lidar com os déficits orçamentários da época.

Ele foi membro do Grupo de Estudos do Iraque, comissão bipartidária que recomendou, em 2007, uma redução gradual do contingente na ocupação daquele país - tese ignorada pelo governo Bush, que ao invés disso enviou reforços.

Panetta sucederá a Michael Hayden, criticado por alguns políticos democratas e por grupos de direitos humanos por defender as táticas de combate ao terrorismo do governo Bush.

Nos últimos oito anos, a CIA se envolveu em diversas polêmicas, a começar pelas falhas no serviço de inteligência que propiciaram os atentados de 11 de setembro de 2001, e os erros nas informações sobre armas de destruição em massa, que justificaram a guerra do Iraque.

A CIA também sofre críticas por usar métodos brutais de interrogatórios contra suspeitos de terrorismo, como a simulação de afogamentos, e por transferir secretamente presos para países que sabidamente praticam a tortura, ou então por manter prisões secretas no exterior.

Obama promete "pôr um fim claro na tortura" e "restaurar" o equilíbrio entre a segurança e as proteções constitucionais.

Depois de deixar a Casa Branca, Panetta dirigiu um centro de políticas públicas da Universidade Estadual da Califórnia, em Monterrey, e ocupou outros cargos no sistema universitário do Estado. Também participa dos conselhos de direção de diversas empresas e entidades.

A indicação de Panetta pode agradar ativistas liberais, que consideraram "belicosas" demais as escolhas de Obama para outros cargos ligados à segurança nacional.

Fontes dizem que Obama escolheu o almirante da reserva Dennis Blair para a coordenação de inteligência dos EUA, o que significa ter supervisão sobre a CIA e outras agências do setor.

O general da reserva dos Marines James Jones será o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, e o secretário de Defesa do governo Bush, Robert Gates, deve permanecer no cargo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG