Lendário selo de soul Motown comemora 50 anos

O lendário selo americano de música soul, Motown Records, comemora 50 anos nesta segunda-feira. A gravadora, fundada por Berry Gordy, lançou as carreiras de estrelas como Marvin Gaye, Stevie Wonder, Diana Ross e Michael Jackson, dominando paradas de sucesso em todo o mundo.

BBC Brasil |

Em visita a Detroit, o correspondente da BBC James Coomarasamy conversou com alguns daqueles que presenciaram o nascimento do selo, há meio século.

O primeiro sucesso da Motown foi Money (That's What I Want) (em português, dinheiro: é isso o que eu quero), mas quando a gravadora foi fundada, há 50 anos, ninguém esperava que fosse fazer muitos dólares.

Segregação Racial
"No dia em que (Gordy) criou o selo, pediu ao Four Tops para trabalhar com ele. Nós casualmente respondemos que não, claro", disse Duke Fakir, único integrante do quarteto vocal Four Tops ainda vivo.

"Nós o conhecíamos, mas não achávamos que um negro tivesse qualquer chence em Detroit, na indústria fonográfica, com uma gravadora".

Mas os cantores estavam enganados, e acabaram se tornando um dos gruos mais queridos do selo.

Joe Billings, cantor do grupo Countours, menos conhecido, lembra das dificuldades de artistas negros na América segregada racialmente.

"Nós subíamos ao palco e (na platéia) você tinha os brancos de um lado, os negros do outro lado. Então você cantava para os brancos e depois se virava e cantava para os negros", disse Billings.

Mas americanos de todas as raças não conseguiam resistir ao desejo de dançar aquelas músicas alegres que falavam de amor.

"Você tinha negros fazendo música que negros e brancos gostavam e ninguém sabia o que fazer a respeito", disse Gary Grath, um jornalista especializado em música baseado em Detroit. "Porque o que a Motown estava oferecendo era música pop, não aquilo que na época se entendia por musica racial".

"Aos poucos, fomos entrando na casa das pessoas, na sala de visitas, na cozinha, onde não tínhamos estado antes", disse Duke Fakir. "Estavam começando a nos aceitar e a nos ver de maneira diferente".

Barry Gordy criou seu império no lendário Studio A, construído dentro de sua garagem, no subsolo de sua casa.

Os músicos tinham acesso ao estúdio 24 horas por dia e, segundo Fakir, a atmosfera era competitiva, mas amistosa.

"Quando The Temptations estavam lá para uma gravação, a gente entrava e fazia uma voz. Depois, saíamos e íamos jogar basquete juntos, ou íamos todos para a casa de Mary Wilson e ela cozinhava para todo mundo", disse Fakir. "Ficávamos até três ou quatro da manhã. Era uma vida de felicidade".

E uma vida também de muito sucesso. A Motown tornou-se uma fábrica de hits, criando super estrelas como Smokey Robinson, Marvin Gaye e as ex-secretárias da Motown Martha Reeves e Diana Ross.

Em 1972, Gordy decidiu expandir seu negócio e transferiu a gravadora para Los Angeles.

Hoje, a antiga casa do empresário é um museu. Visitantes podem conhecer o famoso Studio A, intacto, com instrumentos e gravadores.

Mas muitos, como Joe Billings, são da opinião de que o selo perdeu com a mudança.

"Qualquer artista da Motown podia ouvir a diferença, o som deixou de ser o mesmo, já não estava mais lá", disse Billings.

Para o jornalista Gary Grath, a cidade de Detroit também perdeu com a saída da gravadora.

"Eu realmente acredito que se a Motown tivesse ficado onde estava, o futuro de Detroit talvez tivesse sido melhor", disse Grath. "Detroit se sentiu rejeitada e os efeitos disso ainda são sentidos hoje".

Para a cidade, portanto, a data simboliza também aquilo que Detroit perdeu.

Prevalece, no entanto, o orgulho da música que - muitos acreditam - só podia ter sido criada em Detroit, e que se tornou trilha sonora para as vidas de milhões pessoas.

O selo Motown emplacou quase 200 sucessos no primeiro lugar da parada de singles dos Estados Unidos.

Depois da transferência para Los Angeles, entrou em declínio, mas manteve sua independência até junho de1988, quando Gordy vendeu a companhia para a MCA e Boston Ventures e, mais tarde, para a PolyGram, em 1994.

Hoje, a Motown Records é uma subsidiária do Universal Music Group.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG