Legistas vão fazer testes de DNA para identificar 94 mortos em Madri

Os médicos legistas vão precisar analisar o DNA dos familiares de 94 dos 153 mortos no acidente de ontem com um avião no aeroporto de Madri para poder identificá-los, já que os corpos estão carbonizados, informou hoje o governo espanhol.

AFP |

As equipes médicas trabalhavam desde a madrugada de quinta-feira no pavilhão 6 da instituição de feiras de Madri (IFEMA) para identificar os 153 mortos no acidente com um avião da Spanair que pegou fogo na quarta-feira durante a decolagem no terminal 4 do aeroporto.

O processo de identificação está sendo efetuado de duas maneiras: com as impressões digitais e com testes de DNA, explicou em entrevista à imprensa a vice-presidente do governo, María Teresa Fernández de la Vega.

As impressões digitais vão facilitar a identificação de "59 pessoas" o que não acontece com os demais, 94 falecidos, com identidade a ser confirmada mediante testes de DNA.

Na tarde de hoje, hora local, 50 corpos já identificados começavam a ser levados do IFEMA ao necrotério de La Almudena.

Pela manhã foram encontrados perto do local do acidente dois corpos que estavam desaparecidos, o de um adulto e de um bebê.

No avião viajavam 172 pessoas, entre elas 10 tripulantes e 22 crianças (duas eram bebês).

esb/fz/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG