Legislador republicano pede que Obama dê mais atenção à A.Latina

Washington, 2 dez (EFE).- O legislador republicano pela Flórida Connie Mack pediu hoje que o presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, preste mais atenção na América Latina, diante da influência perturbadora de Venezuela, Rússia e Irã na região.

EFE |

Mack enviou uma carta a Obama na qual lhe pediu que preste uma "atenção particular" à América Latina, onde algumas nações, em sua opinião, não receberam "a devida atenção" do Governo americano.

Esse suposto abandono fez com que o presidente venezuelano, Hugo Chávez, tenha ganhado força na Venezuela, onde restringiu as liberdades e o livre mercado.

"Peço que comece seu mandato com um plano para combater os movimentos comunistas e terroristas na América Latina, e que promova uma agenda hemisférica compartilhada que garanta a liberdade, o comércio e o livre mercado, enquanto respalda as metas geopolíticas principais dos EUA", afirmou.

Acrescentou que diante da "falta de liderança" das Nações Unidas e da Organização dos Estados Americanos no momento de fiscalizar o presidente Chávez, os "Estados Unidos devem (assumir essa liderança) e apoiar o povo venezuelano" e os aliados do Governo americano na região.

O legislador lembrou que na segunda-feira Venezuela e Rússia realizaram manobras militares conjuntas no Caribe, o que, em sua opinião, evoca memórias da Guerra Fria e da "agressiva relação" da antiga União Soviética com Cuba.

Mack também disse que lhe inquieta o fato de Venezuela e Rússia terem assinado vários acordos, incluindo um sobre tecnologia nuclear.

"Isto aconteceu após declarações prévias do senhor Chávez em defesa do direito do Irã de perseguir um programa nuclear. Estas ações e declarações devem causar preocupação em todo o ocidente", disse.

"A crescente influência do Irã, da Rússia e de comunistas como o presidente Chávez, algo inconcebível há uma década, se deve em grande parte à decisão dos EUA de se concentrar em outras áreas, em detrimento da América Latina", queixou-se Mack. EFE mp/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG