Moscou, 28 dez (EFE).- O ministro de Assuntos Exteriores russo, Serguei Lavrov, declarou hoje que a Rússia e o Japão desejam resolver a disputa em torno das ilhas Curilas, embora tenha ressaltado que os enfoques ainda diferem.

"Naturalmente nossas posturas são diferentes, mas ao mesmo tempo é certo que o Japão e Rússia estão dispostos a solucionar a disputa", declarou Lavrov, depois de se reunir com seu colega japonês, Katsuya Okada.

Com relação a isso, destacou que Moscou tem interesse em buscar enfoques não convencionais, informou a agência "Interfax".

Em setembro, o presidente russo, Dmitri Medvedev, reuniu-se com o primeiro-ministro do Japão, Yukio Hatoyama, em Nova York, onde ambos concordaram em iniciar conversas com os chanceleres.

A disputa pelas ilhas Curilas, que os dois países mantêm desde a Segunda Guerra Mundial, impediu a assinatura de um tratado de paz que coloque um fim ao conflito.

"Investimos um tempo significativo no acordo de paz, incluindo o aspecto fronteiriço. Sublinhamos mais uma vez que é preciso buscar uma solução aceitável em uma atmosfera tranqüila, construtiva e amistosa e ampliar as relações russo-japonesas em diversos âmbitos", acrescentou Lavrov.

Além disso, ressaltou que os países ressaltaram a necessidade de transformar a vontade política em fatos práticos.

"Destacamos a importância dos acordos econômicos assinados durante a visita do primeiro-ministro russo (Vladimir Putin) a Tóquio, em maio", indicou Lavrov, e acrescentou que existe um plano de ação para implementá-los.

Por sua vez, Okada declarou que Tóquio quer avançar na resolução do litígio territorial e chamou à Rússia para intensificar as negociações.

Classificou as relações políticas e econômicas dos países de "duas rodas de um mesmo carro" e vinculou o diálogo com a resolução do conflito das ilhas Curilas.

Recentemente, a Rússia reiterou a exigência de desvincular os temas de cooperação bilateral do problema das quatro ilhas Curilas, conhecidas no Japão como os Territórios do Norte e cuja soberania Tóquio reivindica. EFE egw/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.