San José - Laura Chinchilla, eleita hoje como a primeira presidente na história da Costa Rica, prometeu em seu discurso de vitória abrir um diálogo com todos os setores, melhorar a qualidade da saúde, da educação e da segurança.

Segundo a Corte Suprema de Eleições (TSE), com 71,1% das mesas de votação apuradas, Laura, do governista Partido Libertação Nacional (PLN), obtém 46,8% dos votos, Ottón Solís, do centro-esquerdista Partido Ação Cidadã (PAC) 25% e Otto Guevara, do direitista Movimento Libertário 21%.

"Estamos fazendo história", disse a virtual presidente eleita em discurso carregado de agradecimentos, inclusive para seus oponentes, e fez um apelo a todos os setores para dialogar com o objetivo de "tomar decisões, não para evitá-las ou adiá-las".

"Terei as portas abertas a todos os costarriquenhos de boa fé.

Escutarei a voz de quem não esteve conosco nesta eleição e peço humildemente sua ajuda. Ninguém tem o monopólio da verdade, a sensatez e a moral", expressou o novo governante costarriquenho.

Laura, de 50 anos e com uma pós-graduação em ciências políticas, expressou seu agradecimento às "pioneiras que abriram o caminho da participação política da mulher na Costa Rica" e que "hoje tornam possível que uma seja presidente da República".

Entre os compromissos mencionados hoje pela virtual presidente eleita destaque para a "segurança, segurança e segurança", em alusão ao que os costarriquenhos consideram em diversas pesquisas como o problema mais grave do país.

Também prometeu melhorar a qualidade da saúde e do meio ambiente, âmbitos nos quais prometeu continuar os passos para transformar a Costa Rica em 2021 em uma nação que compensa a totalidade de suas emissões de carbono.

Além disso, ofereceu aumentar a qualidade da educação pública e continuar com um crescimento econômico sustentado que transforme seu país na primeira nação desenvolvida da América Latina.

Leia mais sobre: Costa Rica

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.