Laboratórios anunciam resultados positivos em testes de tratamento contra lúpus

Os laboratórios farmacêuticos GlaxoSmithKline (GSK), britânico, e Human Genome Sciences (HGS), americano, anunciaram nesta segunda-feira que obtiveram resultados positivos em testes clínicos de um tratamento contra o lúpus eritematoso, uma doença inflamatória crônica.

AFP |

Após passar com sucesso pela fase 3 dos testes clínicos da Food and Drug Administration (FDA, o órgão americano que controla a venda de medicamentos), a última das autorizações necessárias para a comercialização, o Benlysta (cujo nome científico é belimumab) "pode ser o primeiro tratamento autorizado em décadas para os pacientes de lúpus", indicaram o GSK e o HGS.

"Os resultados (dos testes da fase 3) mostraram que o belimumab, associado a um tratamento padrão, melhoraram em uma proporção estatísticamente importante o estado dos pacientes em um horizonte de 52 semanas, em comparação com os pacientes que receberam apenas o tratamento padrão", afirmaram os laboratórios, em um comunicado conjunto.

O efeito do belimumab, "geralmente bem tolerado" pelos pacientes, reflete em uma queda dos anticorpos típicos do lúpus e dos sinais de atividade da doença, observaram GSK e HGS, associados desde 2006 para o desenvolvimento deste tratamento.

"Assumindo resultados positivos de nosso segundo teste de fase 3, previstos para novembro, nós e o GSK planejamos solicitar uma autorização (da FDA e das autoridades sanitárias) para comercializar o medicamento nos Estados Unidos, na Europa e em outras regiões no primeiro semestre de 2010", disse Thomas Watkins, presidente do HGS, citado no comunicado.

De acordo com os dois laboratórios, um novo medicamento contra o lúpus não é lançado no mercado há pelo menos 50 anos.

"O Benlysta é o primeiro medicamento desenvolvido especificamente para o lúpus a alcançar esta última etapa de testes clínicos com resultados positivos", declarou Carlo Russo, vice-presidente da unidad Biopharm do GSK.

O lúpus eritematoso, uma doença autoimune que afeta cerca de 5 milhões de pessoas em todo o mundo (1,5 milhão só nos Estados Unidos), se manifesta frequentemente por dores intensas nas articulações, lesões cutâneas no rosto e infecções renais mais ou menos severas, podendo alcançar os sistemas nervoso e sanguíneo.

jug/ap/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG