Kouchner considera criação de Estado palestino prioridade internacional

Paris, 13 nov (EFE) - O ministro de Exteriores francês, Bernard Kouchner, afirmou hoje que a criação do Estado palestino deve ser a maior das prioridades da comunidade internacional, depois de se reunir com o primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Salam Fayyad. O chanceler francês disse que há um certo vazio administrativo provocado pelos revezamentos presidenciais nos Estados Unidos e em Israel e insistiu em que é preciso continuar trabalhando sobre os objetivos do Mapa de Caminho estabelecido na conferência de Annapolis (EUA). Kouchner, cujo país preside até janeiro a União Européia (UE), acaba de voltar de Washington, onde, afirmou, não teve contatos oficiais com representantes do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, mas se encontrou com membros que estão no coração de sua equipe. Disse a eles que o Oriente Médio deve ser a primeira das prioridades em política internacional. Há outros problemas, mas antes é preciso resolver a criação de um Estado palestino, afirmou o ministro francês.

EFE |

Ele assegurou que o novo inquilino da Casa Branca "estará mais inclinado a trabalhar com os dois lados do Atlântico", mas admitiu que os primeiros problemas que terá que resolver serão de índole interna.

Em Washington, o chanceler francês transmitiu "a vontade dos 27 países-membros da UE" de prosseguir com o "Mapa de Caminho" estabelecido em Annapolis e a "necessidade vital" de criar um Estado palestino.

Kouchner negou que o fato de que o Estado palestino não ter sido criado antes do fim do ano não significa um fracasso da conferência de Annapolis.

Neste sentido, o ministro francês assegurou que, em dezembro, a França acolherá duas conferências sobre o Oriente Médio, uma de acompanhamento da reunião de doadores realizada em Paris em dezembro e outra do Quarteto para a região (Estados Unidos, Rússia, UE e ONU) após a que ocorreu no dia 9 em Sharm el-Sheikh, Egito.

Fayyad, por sua vez, reivindicou a colaboração da comunidade internacional para que se cumpram "as resoluções e o direito internacional" na região e criticou o "descumprimento" por parte de Israel dos compromissos adquiridos em Annapolis, em particular no acompanhamento dos assentamentos.

"O processo de paz está ameaçado se Israel continuar ignorando seus compromissos do 'Mapa de Caminho', em particular no que se refere à colonização", afirmou o chefe do Executivo da ANP, que pediu à comunidade internacional que "pressione" para que Tel Aviv "respeite seus compromissos".

Fayyad fez um apelo à unidade dos palestinos, sem a qual "não será possível conseguir o objetivo nacional de ter um Estado".

O primeiro-ministro palestino chegou a Paris procedente de Nova York e, além de com Kouchner, se reuniu com seu colega francês, François Fillon, e participou de uma conferência internacional sobre a água organizada na sede da Organização da ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). EFE lmpg/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG