Kirchner reformula gabinete após derrota eleitoral

A presidente argentina, Cristina Kirchner, aceitou nesta terça-feira a renúncia do ministro da Economia, Carlos Fernández, e nomeou para a chefia de seu gabinete o ministro da Justiça, Aníbal Fernández, nove dias após sua derrota nas eleições legislativas.

AFP |

A pasta da Economia foi entregue a Amado Boudou, que dirigia a Administração Nacional de Previdência Social, enquanto o ministério da Justiça passará a Julio Alak, que presidia a estatal Aerolíneas Argentinas, informou na Casa Rosada o subsecretário de Imprensa, Alfredo Scocimarro.

A Previdência ficará com Diego Bossio, e Mariano Recaldo assumirá as Aerolíneas Argentinas.

A secretaria de Cultura será entregue a Jorge Coscia, com a saída de José Nun.

Os novos funcionários serão empossados nesta quarta-feira, às 19H00 local, na Casa de Governo, informou o porta-voz.

Logo após a derrota nas legislativas de 28 de junho, Kirchner havia aceitado a demissão da ministra da Saúde, Graciela Ocaña, e a renúncia do secretário de Transportes, Ricardo Jaime.

ls/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG