Teerã, 11 set (EFE).- O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, advertiu hoje que o país responderá duramente a qualquer outro que fizer ataques à república islâmica.

Em sermão realizado por ocasião da oração comunitária da sexta-feira, a máxima autoridade iraniana insistiu que críticas externas serão toleradas, sempre e quando forem respeitados limites.

"Quem fizer frente ao sistema e levantar a espada contra ele terá uma dura resposta", afirmou Khamenei, que fez um pronunciamento em lembrança da morte, há quase 1.400 anos, do imã Ali, fundador do xiismo.

"Se a segurança do povo for violada, o sistema será obrigado a atuar", insistiu durante o discurso, televisado ao vivo e assistido pelo presidente Mahmoud Ahmadinejad.

Esta é a segunda vez no ano que o líder supremo do Irã sobe ao púlpito da mesquita da Universidade de Teerã, considerada a principal tribuna política do país.

A primeira foi em 19 de junho, uma semana após o anúncio da polêmica reeleição de Ahmadinejad, qualificada pela oposição de fraudulenta.

Naquela ocasião, Khamenei usou a tribuna para dar respaldo à vitória do líder ultraconservador, e para advertir à oposição que atuaria com rigor se esta prosseguisse com os protestos.

Cerca de 30 pessoas morreram - segundo números oficiais - e aproximadamente 4 mil foram detidas durante a revolta pós-eleitoral.

Já a oposição reformista diz que houve 72 mortos, e denuncia a tortura de presos, o que é negado pelas autoridades.

No começo de agosto, um tribunal revolucionário de Teerã iniciou um julgamento contra mais de uma centena de pessoas, às quais acusa de provocar os distúrbios e de participar de uma conspiração planejada no exterior para derrubar o regime iraniano.

Nesta semana, dois dos maiores colaboradores do principal candidato reformista derrotado, Hussein Musavi, foram presos. EFE jm/id

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.