Cabul, 13 fev (EFE).- O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, pediu hoje às tropas internacionais que, durante a operação contra os talibãs recém-iniciada no sul do país, da qual participam cerca de 15 mil soldados, evitem ferir ou matar civis.

Em nota, Karzai fez um apelo ao comando militar internacional para que não recorra a bombardeios em áreas povoadas por civis.

O presidente também disse que a ofensiva, lançada nesta madrugada no reduto talibã de Marjah, é uma oportunidade para os rebeldes interessados em abandonar a violência "se reintegrarem à vida civil".

Nos últimos dois anos, Karzai denunciou várias vezes a morte de civis em ataques aéreos e operações noturnas promovidas pelos Estados Unidos. Devido a esses incidentes, o chefe das tropas estrangeiras no Afeganistão, o general americano Stanley McChrystal, instituiu no semestre passado uma série de regras novas para os combates no país.

Na operação lançada hoje, a Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf), comandada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), tentará devolver às autoridades o controle sobre a localidade de Marjah.

A intenção é acabar com o domínio talibã em boa parte dos núcleos populacionais ao redor do rio Helmand, que cruza a província de mesmo nome de norte a sul.

Aproximadamente 5 mil soldados americanos, um grande contingente britânico, 2 mil militares afegãos e alguns soldados da Dinamarca, Estônia e Canadá participam da operação, a maior lançada no país desde a queda do regime talibã, em 2001. EFE lo/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.