Haia, 31 jul (EFE).- O ex-líder servo-bósnio Radovan Karadzic confirmou hoje aos juízes do Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII) que adia sua declaração de culpa ou inocência por 30 dias, por isso foi convocado novamente em 29 de agosto.

Karadzic, que disse que ainda está "estudando" a ata de acusação, se mostrou partidário de que, em seu próximo comparecimento à Promotoria, tenha preparada sua acusação com emendas.

O ex-dirigente político servo-bósnio se apresentou aos juízes sem advogado de defesa, como já tinha anunciado o advogado de Karadzic em Belgrado.

"Tenho um conselheiro legal, mas decidi representar a mim mesmo", respondeu Karadzic, ao ser perguntado pelo juiz Alphons Orie sobre se comparecer "sozinho", sem advogado, era uma "escolha livre".

Sem a barba e o cabelo comprido que caracterizavam a identidade falsa de Dragan Dabic, Karadzic começou a ouvir as acusações, e se mostrou tranqüilo.

O juiz Orie está procedendo a leitura das onze acusações de crimes de guerra e lesa-humanidade que teriam sido cometidos durante a Guerra da Bósnia (1992-1995), entre eles o genocídio em Srebrenica e o cerco a Sarajevo. EFE mr/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.