Karadzic deve ir à Corte de Haia pela 1ª vez na quinta

O ex-líder sérvio da Bósnia Radovan Karadzic deve comparecer nesta quinta-feira pela primeira vez ao Tribunal Criminal Internacional para a ex-Iugoslávia, em Haia, na Holanda. Karadzic foi extraditado nas primeiras horas do dia da capital sérvia, Belgrado, onde estava preso há nove dias após passar mais de uma década foragido.

BBC Brasil |

O ex-líder sérvio da Bósnia está preso no centro de detenção do Tribunal Criminal Internacional.

O promotor-chefe, Serge Brammertz, disse que Karadzic vai enfrentar as acusações mais graves de acordo com a lei internacional: genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra, incluindo a morte, em 1995, de oito mil muçulmanos na cidade bósnia de Srebrenica.

Segundo o correspondente da BBC em Haia Dominic Hughes, Brammertz afirmou que a prisão de Karadzic mostra que os fugitivos da justiça internacional não têm alternativa.

Julgamento longo
Olga Kavran, porta-voz do gabinete do promotor, afirmou que o julgamento de Karadzic será diferente do julgamento do ex-presidente da Iugoslávia Slobodan Milosevic, que morreu de ataque cardíaco antes da conclusão do processo, no seu quinto ano em Haia.

Segundo Kavran, o julgamento de Milosevic foi longo devido ao fato de ele ter feito sua própria defesa. E também, por motivos de saúde do réu, o julgamento ocorria apenas por três dias da semana.

A porta-voz afirmou que espera que o julgamento de Karadzic não seja tão longo, mas alerta que o processo não será rápido.

"É difícil prever agora. Certamente levará meses. Novamente caberá aos juízes para determinar a administração deste caso", afirmou.

"O promotor será o mais eficiente possível, mas estes casos (...) são complexos, a gravidade dos crimes, o alcance dos crimes, as provas necessárias para estes crimes, muito disso precisa ser apresentado à corte por meio de testemunhas, provas documentais", afirmou.

Médico
O ex-líder sérvio deverá responder a 11 acusações, entre elas as de genocídio e crimes contra a humanidade cometidos durante o conflito na Bósnia (1992 a 1995), ocorrido após a desintegração da Iugoslávia.

De acordo com os procedimentos legais, Karadzic será informado sobre seus direitos e deveres e será examinado por um médico.

Na próxima audiência, um juiz detalhará as acusações que pesam contra ele. A partir de então, o réu terá até 30 dias para apresentar sua defesa.

O ex-líder sérvio foi indiciado no Tribunal de Haia em julho de 1995, acusado de autorizar a morte de civis durante o cerco de Sarajevo, que durou 43 meses.

Quatro meses depois, foi indiciado por genocídio pela morte de cerca de 8 mil homens e meninos muçulmanos, depois que as forças de seu comandante militar Ratko Mladic tomaram Srebrenica.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG