Kadhafi e Medvedev conversam sobre cooperação energética e compra de armas

O presidente russo, Dmitri Medvedev, recebeu em grande pompa neste sábado no Kremlin o Guia da revolução líbia Muammar Kadhafi, que defendeu uma maior cooperação energética com Moscou e reiterou seu interesse na compra de armas russas.

AFP |

"Infelizmente, nossos contatos se desenvolveram mais nos âmbitos militar e político", declarou o dirigente líbio no início de uma reunião com Medvedev no Kremlin.

"Agora, a porta está aberta para o desenvolvimento de uma maior cooperação no âmbito civil, sobretudo nos setores do petróleo e do gás", acrescentou Kadhafi, em visita oficial a Moscou pela primeira vez desde 1985.

"Temos posições comuns sobre a política do gás e do petróleo", insistiu. Tanto a Rússia como a Líbia são grandes produtores de hidrocarbonetos.

As companhias russas, e principalmente o gigante Gazprom, querem participar da exploração dos campos líbios. Aliás, a Gazprom, a italiana ENI e a Companhia Petrolífera Nacional líbia devem conversar em novembro sobre projetos comuns.

Trípoli, por sua vez, deseja que companhias líbias sejam associadas à exploração de campos de gás na Rússia, uma perspectiva que "não suscita o entusiasmo de Moscou", segundo o jornal russo Kommersant.

A Rússia também está estudando a criação de uma "OPEP do gás", da qual poderia participar a Líbia. No entanto, Trípoli decepcionou Moscou ao se distanciar deste projeto, escreveu o Kommersant em sua edição de sexta-feira.

Apesar da importância de uma maior cooperação econômica, a Líbia "não perdeu o interesse" pelos armamentos russos", lembrou Kadhafi.

Vendas de armas por cerca de dois bilhões de dólares deviam ser discutidas durante a visita do dirigente líbio, segundo uma fonte russa citada pela agência Interfax.

Trípoli estaria particularmente interessado em sistemas de mísseis terra-ar S-300 e TOR-M1, caças MIG-29 e SU-30 e tanques T-90.

Nenhuma informação filtrou destas conversas, mas a imprensa russa também mencionou a possível assinatura de um acordo no nuclear civil. A Rússia gostaria muito de vender sua tecnologia nuclear à Líbia.

"Estou certo de que estas discussões fortalecerão nossas relações amistosas", limitou-se a declarar Medvedev.

As relações entre Moscou e Trípoli, aliados na época soviética mas distantes depois da queda da União Soviética, melhoraram com a visita à Líbia em abril do então presidente russo Vladimir Putin.

neo/yw

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG