Justiça tailandesa cassa direitos políticos do premier e dissolve seu partido

O Tribunal Constitucional da Tailândia ordenou nesta terça-feira a dissolução do partido que governa o país, considerado culpado de fraude eleitoral, e cassou os direitos políticos do primeiro-ministro Somchai Wongsawat por cinco anos.

AFP |

A Tailândia é cenário de importantes manifestações antigovernamentais que há uma semana provocaram o fechamento dos dois aeroportos de Bangcoc e o bloqueio de mais de 350.000 passageiros.

"O Tribunal Constitucional decidiu por unanimidade dissolver o Partido do Poder do Povo (PPP)", declarou o juiz Chat Chonlaworn, que presidiu um painel de nove magistrados.

¨Em conseqüência, o líder do partido e os dirigentes do partido têm proibidas as atividades políticas durante cinco anos", acrescentou.

O Tribunal Constitucional examinava há alguns meses as irregularidades cometidas por certos dirigentes do PPP nas eleições legislativas de dezembro de 2007, vencidas por ampla margem pelo partido.

O primeiro-ministro Somchai Wongsawat anunciou que aceita o veredicto.

"Minhas funções terminaram. Agora sou um cidadão comum", declarou o premier, de 61 anos, à imprensa na cidade de Chiang Mai, onde está desde a semana passada, já que não conseguiu pousar em nenhum dos dois aeroportos de Bangcoc.

"No entanto, é algo inesperado que a decisão chegue deste modo. No passado fiz tudo o que pude, não por mim mesmo, mas pelo nosso país", acrescentou Somchai, cunhado do ex-premier exilado Thaksin Shinawatra.

O PPP vai se reagrupar sob um novo nome e vai propor um novo primeiro-ministro ao país. O partido havia criado uma nova estrutura, já antecipando a decisão da corte constitucional, informou o porta-voz da formação, Kudeb Saikrajang.

O Tribunal Constitucional também dissolveu outros dois partidos que integram a coalizão de governo por envolvimento em fraude eleitoral.

Os partidos Matchima e Chart Thai também foram abolidos e seus dirigentes também tiveram os direitos políticos cassados por cinco anos, assim como o PPP.

O Chart Thai tem 34 representantes no Parlamento e o Matchima 11.

Na primeira conseqüência internacional da decisão da justiça tailandesa, a reunião de cúpula anual da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), que aconteceria em meados de dezembro na Tailândia, foi adiada para 2009.

ask/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG