Cartum, 20 ago (EFE).- Um tribunal antiterrorista do Sudão condenou à morte 12 rebeldes da região de Darfur que, há dez dias, participaram de uma ofensiva armada contra Cartum.

Segundo informações, a mesma corte colocou à disposição de um juizado de menores quatro rebeldes com menos de 18 anos e, por falta de provas, absolveu outras quatro pessoas.

Todos condenados à forca, que pertencem ao chamado Movimento pela Justiça e a Igualdade (MJI), foram julgados em conformidade com a Lei Antiterrorista, em uma audiência realizada sob um forte esquema de segurança.

Até agora, a Justiça sudanesa já condenou à morte 38 combatentes do MJI, que ontem, em um comunicado, ameaçou voltar a "invadir" Cartum caso as autoridades cumpram as sentenças.

Na nota, o MJI afirmou que os guerrilheiros condenados são prisioneiros de guerra, razão pela qual os tribunais antiterroristas não têm competência para julgá-los.

Por sua vez, o Tribunal Constitucional indeferiu hoje quatro recursos contra as sentenças de morte, os quais sustentavam que os tribunais antiterroristas são inconstitucionais, já que violariam o Código Penal sudanês e os tratados internacionais. EFE az/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.