Justiça repreende polícia por tratamento a brasileira em Madri

A Justiça espanhola condenou a atuação da polícia do país por ter detido ilegalmente a universitária brasileira Marta Silvana no aeroporto de Madri, no início deste mês.

BBC Brasil |

A estudante foi detida no aeroporto de Barajas no último dia 3, ao retornar à Espanha com visto de turista para continuar seu curso de doutorado, iniciado em janeiro.

Marta Silvana entrou com pedido de habeas corpus e denunciou a detenção como ilegal. O juiz Santiago Torres, da Sala 32 do Tribunal de Instruções de Madri, deu ganho de causa a ela.

O juiz sentenciou no processo que a sala de inadmitidos do aeroporto de Barajas não tem caráter penitenciário, por isso a brasileira não poderia ser retida sem prazo para ser deportada.

Na sentença divulgada nesta quinta-feira o juiz definiu a situação dos inadmitidos no aeroporto de Madri como problema de dignidade humana.

Regularização
A brasileira Marta Silvana D.S.R. chegou à Espanha em janeiro de 2008 para fazer um doutorado na Universidade Complutense de Madri, mas a demora na regularização dos documentos fez com que ela tivesse que voltar ao Brasil no dia 22 de abril.

O visto de turista (válido para três meses) estava expirando, o passaporte também e Marta foi ao consulado espanhol pedir um visto de estudante.

Quando esperava a resposta do consulado, a brasileira recebeu a confirmação da regularização dos seus documentos na universidade. Mesmo sem o novo visto de estudante, ela decidiu voltar a Madri no dia 3 de maio.

A polícia aduaneira não acreditou na história e barrou a universitária na chegada a Barajas. Ela foi levada para a sala de inadmitidos a espera de uma vaga em um vôo para ser deportada.

Mas a brasileira pediu um habeas corpus na última segunda-feira (teve que esperar o fim do feriado) e conseguiu ser liberada imediatamente para depoimento.

O juiz aceitou o pedido e ainda condenou a atuação da polícia. Segundo a sentença, a universitária comprovou que dizia a verdade e deveria ter sido admitida no desembarque.

O processo indicou também que os lugares de internamento para estrangeiros (como é o caso da sala de inadmitidos de Barajas) não terão caráter penitenciário. Portanto os inadmitidos só estarão privados de direito ambulatório (sair do aeroporto). O estrangeiro se encontrará a todo momento à disposição da autoridade judicial, mas a liberdade deve ser respeitada.

Condições
O juiz também recriminou a polícia pelas condições da sala de inadmitidos, uma queixa comum entre os brasileiros barrados no início de 2008. Muitos diziam que faltava luz, ventilação e até papel higiênico.

Segundo a sentença, não existe a mínima consistência de que o lugar mantivesse os requisitos necessários de serviços sociais, jurídicos, culturais e sanitários para a adequada permanência.

O processo terminou com a liberação da universitária para terminar os estudos, mas sem condenações. Como Marta Silvana não entrou com outra ação judicial, não pode ser indenizada e a polícia aduaneira foi apenas repreendida pelo Tribunal.

O desafio à polícia feito pela estudante brasileira é raro na Espanha, segundo a Subcomissão de Estrangeiros do Conselho Geral de Advocacia.

Todos os barrados no aeroporto de Barajas têm o direito de pedir o habeas corpus, se considerarem ter sido detidos ilegalmente, mas quase ninguém apela a esse recurso por desconhecimento ou falta de esperança de que funcione.

Ele foi muito usado nos rechaços massivos em 2000 e 2001, mas atualmente apenas um número escasso de estrangeiros apela. Quando alguém recorre é porque sabe que há bases para prosperar, como foi o caso dessa brasileira, disse o presidente da Subcomissão, Pascual Aguelo.

Segundo estatísticas do aeroporto de Barajas, em Madri, dois em cada cinco barrados na principal porta de entrada na Espanha em 2007 eram brasileiros.

    Leia tudo sobre: espanha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG