Justiça paraguaia detecta evasão de US$ 14 milhões por importadoras

Assunção, 8 set (EFE).- A Direção Nacional de Alfândegas do Paraguai informou hoje que detectou uma evasão de US$ 14 milhões efetuada por várias empresas importadoras nos oito primeiros meses do ano, e a Justiça paraguaia emitiu mandados de prisão contra 13 administradores portuários, inclusive do Brasil.

EFE |

Esses administradores, cuja ordem de detenção foi emitida pela Promotoria após serem filmados entregando dinheiro ao novo presidente da Administração Nacional de Navegação e Portos (ANNP), Albino González, são de portos de Brasil, Argentina, Chile e Uruguai.

O diretor da Direção Nacional de Alfândegas, Carlos Vidal Ríos, afirmou em entrevista coletiva que essas evasões foram realizadas, principalmente, por meio da "depreciação" e por "diferenças de verbas tarifárias", de produtos do setor de eletrônica, informática e confecções.

Ríos também disse que as empresas importadoras que realizaram essas evasões foram inabilitadas provisoriamente e têm prazo de dez dias para regularizar a situação legal.

O diretor explicou que a evasão detectada de janeiro a agosto supera 55,742 bilhões de guaranis (US$ 14 milhões) e lembrou que, em todo o ano passado, esse montante foi de 41 bilhões de guaranis (US$ 10,2 milhões).

A denúncia de Ríos acontece três dias depois de o juiz de instrução Pedro Portillo decretar a reclusão de alguns dos supostos integrantes de uma rede de corrupção desmantelada na semana passada na ANNP.

Portillo ordenou a prisão de administradores portuários em Ciudad del Este, Itá Enramada e Saltos del Guairá.

Uma primeira estimativa de González revela que essa máfia distribuía aos presidentes da ANNP aproximadamente US$ 100 mil por mês e que uma soma similar ia parar nas mãos dos administradores e grupos de funcionários. EFE rg/wr/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG