Justiça paquistanesa liberta cientista nuclear

Por Augustine Anthony ISLAMABAD (Reuters) - A Justiça paquistanesa libertou na sexta-feira o cientista nuclear Abdul Qadeer Khan, que passou cinco anos sob prisão domiciliar devido às suspeitas de ter mantido o mais grave esquema clandestino de proliferação nuclear do mundo.

Reuters |

Khan, tratado por muitos paquistaneses como o pai da bomba atômica nacional, confessou em 2004 ter vendido segredos nucleares a Irã, Coreia do Norte e Líbia. Ele foi imediatamente perdoado pelo governo, embora tenha sido colocado sob prisão domiciliar.

"É motivo de alegria. O julgamento, pela graça de Alá, é bom", disse Khan a jornalistas em frente à sua casa, em Islamabad, logo após a sentença da Alta Corte.

Em Washington, a secretária de Estado Hillary Clinton se disse "muitíssimo preocupada" com a libertação de Khan, mas não fez maiores comentários.

O cientista, que tem 72 anos e sofre de câncer de próstata, disse não se importar com as opiniões dos governos estrangeiros. "Estou obrigado a responder apenas ao meu governo, não a qualquer estrangeiro. Sempre me orgulharei do que fiz pelo Paquistão", afirmou.

No último ano, a prisão domiciliar já havia sido abrandada - ele era autorizado a visitar amigos, e viajou pelo menos uma vez a Karachi, sob forte esquema de segurança.

(Reportagem adicional de Aftab Borka e John Whitesides)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG