Justiça impõe fiança de US$ 130 mil para ex-presidente da Guatemala

Guatemala, 7 out (EFE).- A Justiça da Guatemala fixou em um milhão de quetzais (US$ 130 mil) a fiança que o ex-presidente Alfonso Portillo, extraditado hoje do México, terá que pagar para ficar em liberdade condicional até seu julgamento por peculato.

EFE |

A fiança foi estabelecida considerando-se que "não existe risco de fuga" e "a vontade do sindicado de se apresentar à Justiça para solucionar sua situação jurídica", argumentou em sua sentença o juiz Julio Jerónimo Shetumul.

O magistrado declarou "improcedente" o pedido da Procuradoria Geral, que havia recomendado uma fiança de 120 milhões de quetzais (US$ 15,5 milhões) para o acusado.

Também foi indeferido pela Justiça guatemalteca o pedido de prisão preventiva para Portillo.

Portillo, que governou a Guatemala entre 2000 e 2004, foi extraditado nesta terça-feira do México, onde viveu nos últimos quatro anos.

O ex-presidente é acusado pela Procuradoria Geral de peculato, abuso de autoridade e desvio de 120 milhões de quetzais (US$ 15,5 milhões) durante o seu Governo.

Após saber das decisões a seu favor, Portillo se disse muito satisfeito e "grato ao senhor juiz, que não fez mais que cumprir a lei".

"Isto me permite enfrentar o processo em liberdade. Vamos provar que (as acusações) foram armadas", afirmou Portillo, que declarou estar sendo perseguido por seus adversários políticos. EFE cal/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG