Justiça egípcia investiga causas do incêndio que arrasou Parlamento

Cairo, 20 ago (EFE).- A Procuradoria Geral do Egito empreendeu hoje uma investigação para apurar as causas do devastador incêndio que arrasou ontem à noite a sede do Parlamento do país no centro do Cairo, e que deixou 15 feridos, em sua maioria bombeiros.

EFE |

Segundo o ministro do Interior egípcio, Habib al-Adli, "é possível" que um dos policiais tenha morrido no incêndio, que se prolongou por mais de nove horas até sua total extinção.

Adli descartou, em declarações à agência oficial de notícias egípcia "Mena", que o acidente tenha sido provocado de forma intencional, e considerou que o estado do histórico edifício, que tem algumas estruturas de madeira, e o forte vento são duas das causas da rápida propagação do fogo.

Algumas fontes de segurança citadas pela "Mena" atribuíram o incêndio também aos trabalhos de restauração do edifício, que tiveram início em julho último.

O fogo começou por volta das 17h50 locais (11h de Brasília) no terceiro andar da sede da Câmara Alta do Parlamento e se estendeu ao primeiro e segundo andares. EFE nq/fr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG