Justiça do Irã proíbe maior partido reformista, diz agência

TEERÃ (Reuters) - A Justiça do Irã proibiu as atividades do principal partido reformista do país, disse a agência semiestatal Isna nesta segunda-feira, citando uma fonte oficial. O adjunto político do Ministério do Interior, Solar Mortazavi, afirmou que a Justiça proibiu as atividades da Frente da Participação Islâmica do Irã e fechou sua sede, disse a Isna.

Reuters |

O partido, ligado ao ex-presidente reformista Mohammad Khatami, afirmou que foi impedido de realizar sua reunião anual na quarta-feira passada, e que isso é "um ato ilegal e um claro exemplo da retirada dos direitos fundamentais dos cidadãos", segundo nota publicada no site oposicionista Narooznews.

Centenas de reformistas foram detidos e julgados em meio à repressão contra manifestações iniciadas em junho, após suspeitas de fraude na eleição presidencial, algo que as autoridades negam.

Em julho, a frente da Participação Islâmica declarou que as eleições haviam sido um "golpe de Estado" que abalava a legitimidade das instituições. A eleição e as subsequentes manifestações mergulharam a República Islâmica na pior crise de seus 31 anos de existência.

Novos confrontos podem ocorrer na terça-feira por causa de celebrações que marcam o fim do ano persa. A polícia já alertou a oposição a não usar a ocasião para organizar novos protestos, e disse que pessoas detidas nesse dia permanecerão presas até o fim das comemorações do ano-novo, em 21 de março.

Entre os manifestantes presos nos últimos meses, mais de 80 já foram condenados a penas de até 15 anos de prisão. Duas pessoas levadas a julgamento depois da eleição foram executadas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG