BANGCOC - A Suprema Corte de Mianmar (antiga Birmânia) examinará no dia 18 de janeiro o recurso apresentado pela principal opositora do país e Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, contra a pena de um ano e meio de prisão domiciliar que cumpre, informou neste sábado uma emissora de rádio da dissidência.

Suu Kyi, de 64 anos, ainda não sabia quando a Justiça birmanesa realizaria a audiência, depois de aprovar o recurso para trâmite no dia 21 de dezembro.

A defesa argumenta que a ativista foi julgada e condenada com uma legislação contida na Constituição de 1974, que foi cancelada pela Carta Magna que aprovada em plebiscito no ano passado.

Os advogados do Estado afirmam que os artigos referentes à segurança nacional aplicados com Suu Kyi seguem em vigor.

A Nobel da Paz passou 14 dos últimos 20 anos sob prisão domiciliar por pedir de maneira pacífica reformas democráticas em seu país.

Leia mais sobre: Mianmar

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.