Justiça da Venezuela decreta prisão de Rosales

A justiça de Caracas ditou nesta quarta-feira ordem de detenção preventiva contra o líder da oposição, Manuel Rosales, acusado de corrupção e que está atualmente em Lima, onde pediu asilo político, informou o Ministério Público em comunicado.

AFP |

A decisão foi assinada pela juíza Reina Morandy, do 19º tribunal de Caracas, que já transmitiu sua determinação à Interpol, à Polícia científica venezuelana e ao escritório nacional de estrangeiros (Onidex).

A ordem judicial deve ser aplicada para garantir a presença do réu", diz a nota.

Rosales, que foi candidato a presidente em 2006 e é atualmente prefeito de Maracaibo (oeste).

O político devia se apresentar em 20 de abril passado ante um tribunal de Caracas, que ia decidir se aguardava em liberdade ou em prisão preventiva o julgamento por suposto enriquecimento ilícito, crime que poderia condená-lo a entre três e dez anos de prisão.

O Ministério Público explicou nesta quarta-feira que a ordem de detenção foi decidida, além disso, porque Rosales "não assistiu à audiência preliminar e atualmente está no Peru".

Segundo o Ministério Público, este crime teria sido cometido entre 2002 e 2004 quando Rosales era governador de Zulia, estado cuja capital é Maracaibo.

Nesta quarta-feira, o ministro do Interior e Justiça venezuelano, Tarek El Aissami, lembrou que quando não se apresentou à audiência de 20 de abril passado, Rosales passou a ser foragido.

Em um pronunciamento realizado nesta quarta-feira, em Lima, o político reivindicou sua inocência e chamou o presidente Hugo Chávez de "covarde".

No fim de outubro, em plena campanha pelas eleições regionais, Chávez acusou Rosales de ter intenções de matá-lo e disse que havia proposto "prendê-lo".

"Chávez, em sua obsessão de colocar as mãos em Zulia, decreta 'Manuel Rosales preso' (...) Sou vítima de uma perseguição ordenada por Chávez", disse Rosales nesta quarta-feira.

Rosales também anunciou que daria prosseguimento à luta para "libertar" seu país das "mãos ensanguentadas do covarde presidente Hugo Chávez, cheias de ódio, manipulação e destruição".

"Hoje, com mais força e veemência, queremos dizer ao povo venezuelano que continuamos a luta", disse em uma entrevista divulgada pelo Canal N de televisão, em Lima.

"Estamos mais decididos a lutar, a enfrentar este regime totalitário, que pisoteia e esmaga a Constituição Bolivariana, que persegue os que foram eleitos governadores e prefeitos", acrescentou.

Omar Barboza, secretário-geral do partido "Um Novo Tempo" (social-democrata), anunciou em uma entrevista coletiva à imprensa na segunda-feira que a decisão do prefeito de solicitar asilo político obedece à intenção de "continuar percorrendo o caminho democrático", pois de outra forma Rosales teria que passar por uma situação de clandestinidade.

bl/sd/lm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG