Justiça da Alemanha condena à prisão pais que deixaram bebê morrer de fome

BERLIM - A Justiça alemã condenou nesta sexta-feira o casal que, em fevereiro, deixou morrer de fome seu bebê de seis meses.

EFE |

O tribunal considerou provado o crime de homicídio por negligência dos pais de Florian e determinou sete anos de prisão para a mãe, de 20 anos, e de dez para o pai, de 21.

Os dois foram detidos em fevereiro, após a autópsia realizada no corpo da criança revelar que deixaram o bebê morrer de desnutrição. O pai ligou para um médico na noite anterior à morte para falar da piora do estado de saúde da criança.

O promotor Christoph Schüler acusou o casal de não ter proporcionado comida e bebida ao recém-nascido durante meses por "desocupação" e reprovou sua atitude, especialmente da mãe, que, segundo afirmou, ficava em casa "o dia todo" e não reagia diante dos "gritos" do bebê.

Entretanto, a defesa argumentou que por causa da depressão que sofre habitualmente, a mãe teve sua responsabilidade jurídica atenuada e pediu que se ela fosse julgada como menor de idade e que recebesse uma pena máxima de cinco anos.

A sentença pelo chamado "caso de Florian" - nome do bebê - foi anunciada um mês depois de ser decidida judicialmente a morte de outra criança, por desnutrição, que comoveu a opinião pública alemã no ano passado.

O caso de Lea-Sophie, de cinco anos, foi divulgado em novembro após a menina chegar a um centro hospitalar de Schwerin (nordeste da Alemanha) com evidentes sinais de desnutrição e desidratação, úlceras nos glúteos e apenas 7,4 quilos de peso, a metade do normal para sua idade.

A Audiência Provincial da localidade condenou cada um dos pais a penas de 11 anos e 9 meses de prisão.

Leia também:

Leia mais sobre infanticídio

    Leia tudo sobre: infanticídio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG