Justiça colombiana indicia membro das Farc detido no resgate de Betancourt

Bogotá, 29 jul (EFE).- O membro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) Gerardo Antonio Aguilar Ramírez, conhecido como César, detido no dia 2 de julho na operação de resgate de 15 reféns da guerrilha, foi acusado hoje pela Justiça de terrorismo, informaram fontes da Procuradoria Geral colombiana.

EFE |

Um promotor da União Nacional contra o Terrorismo emitiu a ordem de detenção sem fiança "por sua suposta intervenção em um plano terrorista em 2003", agregaram as fontes.

Segundo as investigações, o rebelde das Farc "enviou dinheiro para financiar a explosão de pontes sobre o rio Magdalena em Girardot (Cundinamarca, centro), e em Honda e Suárez (Tolima, sul)".

Segundo as fontes da Procuradoria, esse plano "contemplava a utilização de carros-bomba que seriam conduzidos por controle remoto até as estruturas escolhidas para serem destruídas".

As fontes dizem que o grupo rebelde também "adquiriu casas nas cercanias das pontes para comandar desde lá as ações terroristas".

O promotor instrutor desses fatos acusa "César" dos delitos de "terrorismo, concerto para delinqüir para financiar atividades terroristas, e rebelião".

No mesmo processo já está condenado a 470 meses de prisão Édgar Morea Morales, conhecido como "Javier Tanga", entre outros sentenciados.

"César" foi detido na "Operação Xeque", que viabilizou a libertação de 15 reféns das Farc, entre eles a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt.

Atualmente "César" está detido em uma prisão de Bogotá e as autoridades dos Estados Unidos podem formalizar o pedido de extradição por seqüestro e terrorismo. EFE rrm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG