Justiça chilena investigará pela primeira vez a morte de Salvador Allende

Ex-presidente morreu em 11 de setembro de 1973 no Palácio de La Moneda, durante golpe que levou Augusto Pinochet ao poder

AFP |

Como parte de ação requerida por uma promotora, a Justiça chilena investigará pela primeira vez as circunstâncias da morte do ex-presidente Salvador Allende durante o golpe militar de Augusto Pinochet, em 11 de setembro de 1973.

"Allende não tem uma causa dentro do poder judicial", disse a promotora da Corte de Apelações, Beatriz Pedrals, que deu entrada na ação pelas mortes do presidente e de outras 725 pessoas, incluídas em casos de violações dos direitos humanos durante a ditadura (1973-1990) e nunca investigadas.

AFP
Foto não datada do ex-presidente chileno Salvador Allende (1908-1973) o mostra discursando durante o 5º aniversário do Partido Comunista do Chile
As ações foram iniciadas depois da constatação, pelo magistrado encarregado de coordenar os casos de violações dos direitos humanos, Sergio Muñoz, de que existiam muitos casos de vítimas que não haviam apresentado nenhuma queixa.

O ex-presidente Salvador Allende morreu em 11 de setembro de 1973 no Palácio de La Moneda - a sede presidencial - durante o golpe de Estado que levou ao poder Pinochet.

Uma necropsia determinou que Allende se suicidou, apesar de os resultados continuarem sendo questionados por alguns setores políticos e de direitos humanos.

"O que não se investigou, a Justiça investigará", afirmou Pedrals, expressando a vontade da justiça de "averiguar tudo o que aconteceu, com uniformidade de critério".

As novas ações referentes aos 726 casos sem investigação têm origem numa gestão realizada pelo poder público em 2010.

"No ano passado, foram revistas as listas de vítimas do Informe Rettig, e cruzamos essa informação com as ações abertas até o momento, verificando que existiam muitos casos sem representação", explicou uma fonte do Poder Judiciário.

O juiz Muñoz determinou que os processos desse tipo sobre as vítimas devam ter um prazo final de investigação, pois, segundo ele, não é aceitável que se perpetuem no tempo. Por isso, a Justiça se encarregará de que sejam realizadas as diligências necessárias.

A notícia foi bem recebida pelo Grupo de Familiares de Presos Desaparecidos. Sua presidente, Lorena Pizarro, classificou de "potente sinal por parte dos outros poderes do Estado".

"Nenhum crime pode ficar sem investigação. Estamos falando de mais de 700 casos que nunca foram investigados, incluindo o de Allende, o que torna necessário uma resposta com uma força maior", declarou.

Segundo Pizarro, muitas famílias entraram com ações judiciais, mas a Justiça não chegou a investigar todas. Pedrals explicou que as ações compreendem casos de presos desaparecidos e mortos "por quaisquer razões", como, por exemplo, pessoas que morreram vítimas de balas perdidas em manifestações.

Cerca de 3 mil morreram ou desapareceram nas mãos da ditadura de Pinochet. Até a presente, 560 militares são processados por esses crimes.

    Leia tudo sobre: chilesalvador allendeaugusto pinochet

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG