Justiça argentina detecta irregularidades em contas de campanha de Cristina

Buenos Aires, 5 out (EFE) - Uma auditoria da Câmara Nacional Eleitoral argentina detectou irregularidades no relatório de financiamento da campanha que levou a atual presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, a vencer as eleições presidenciais do ano passado, informou hoje a imprensa local.

EFE |

O tribunal recomendou à juíza María Servini de Cubría que não aprove a prestação de contas apresentada pela governista Frente para a Vitória, que venceu as eleições de outubro de 2007, com 45,2% dos votos.

Segundo o jornal "La Nación", os auditores descobriram doações de quase um milhão de pesos (US$ 314 mil) sem nenhum recibo que comprovasse sua autenticidade e contribuintes com o mesmo número de identidade, mas com nomes diferentes, entre outras irregularidades.

Além disso, advertiram de que "falta acompanhar faturas e notas de crédito de um total de 2,4 milhões de pesos (US$ 765 mil)" correspondentes a supostas contratações com meios de comunicação feitos pela Frente para a Vitória através de uma agência de publicidade.

A auditoria soube mais tarde que, durante um julgamento realizado em Miami, foram divulgadas gravações segundo as quais os US$ 800 mil apreendidos com o empresário venezuelano Guido Antonini Wilson em Buenos Aires em agosto do ano passado estavam destinados à campanha de Cristina.

O jornal "La Nación" acrescentou que as dúvidas aumentaram depois que se soube que Sebastián Forza, um dos três empresários argentinos recentemente assassinados em um caso que a Justiça liga ao narcotráfico, figurava entre os que forneciam dinheiro para a Frente para a Vitória.

Ao ser consultado pelo jornal, o tesoureiro da campanha de Cristina, Hernán Diez, afirmou que os erros serão esclarecidos perante a Justiça nos próximos dias.

De acordo com as estatísticas da Câmara Nacional Eleitoral argentina, 77% dos fundos que os partidos arrecadam são destinados à publicidade, por isso nas últimas eleições a Justiça contratou uma auditoria específica para esses gastos e pediu aos meios de comunicação que informassem quanto tinham cobrado pelo espaço.

A Frente para a Vitória declarou quase 14 milhões de pesos (US$ 4,4 milhões) em despesas, mas a auditoria estimou que o real gasto foi de 17 milhões de pesos (US$ 5,3 milhões), enquanto os meios de comunicação e as agências de publicidade falaram de quase US$ 22 milhões de pesos (US$ 6,9 milhões).

Enquanto isso, continua a análise das despesas de todos os partidos, mas fontes judiciais indicaram que em quase todas as declarações a cargo de Servini de Cubría foram detectadas irregularidades. EFE hd/wr/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG