Júri acusa milionário texano de fraude de US$ 7 bilhões

Washington, 19 jun (EFE).- Um grande júri federal de investigação acusou formalmente hoje o multimilionário texano Allen Stanford, que se entregou na quinta-feira à noite ao FBI (Polícia federal americana), por uma fraude de US$ 7 bilhões que prejudicou milhares de investidores.

EFE |

Segundo fontes judiciais, Stanford permanecerá detido e à espera de ser transferido ao Texas, onde será realizada uma audiência para estudar sua situação legal.

A magistrada Hannah Lauck, perante a qual compareceu Stanford, de 59 anos e presidente do Stanford Financial Group (SFG), com sede em Houston, Texas, coincidiu com a Promotoria em que existe o risco de fuga do especulador.

Ela ordenou que seja realizada uma audiência na qual se decidirá se deve permanecer detido ou ser liberado com ou sem fiança.

A juíza deu a Stanford a opção de poder realizar essa audiência em Houston ou ficar na Virgínia, onde se entregou na quinta-feira à noite ao FBI. O empresário decidiu voltar ao Texas.

A advogada que representou hoje Stanford, Christina Sarchio, se opôs à audiência e argumentou que o empresário texano não fugirá, já que está arruinado por causa da apreensão de seus ativos por parte do Governo.

Steven Tyrrell, do Departamento de Justiça, afirmou, no entanto, que mais de US$ 1 bilhão da suposta fraude não foram localizados e que Stanford pode ter acesso a este dinheiro.

O advogado do especulador, Dick DeGuerin, assegurou hoje em comunicado que Stanford é inocente de todas as acusações e que o empresário acredita que o júri o absolverá.

Um grande júri do Distrito Sul do Texas tornou pública hoje uma lista com 21 acusações contra Stanford e outras quatro pessoas supostamente envolvidas na fraude avaliada em US$ 7 bilhões que foi liderada pelo multimilionário durante mais de uma década, informou hoje o Departamento de Justiça americano. EFE cae/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG