Bagdá, 20 mai (EFE).- O julgamento do ex-vice-primeiro-ministro iraquiano Tareq Aziz e de outros sete ex-funcionários do alto escalão do regime de Saddam Hussein foi retomado hoje, após seu adiamento, no dia 29 de abril.

Segundo a televisão iraquiana, todos os acusados - julgados pela execução de 42 comerciantes, em 1992 - estiveram presentes na audiência, a segunda do julgamento.

Um dos advogados de defesa havia pedido ao tribunal que Aziz fosse julgado fora do Iraque ou no Curdistão iraquiano, em razão da "instabilidade da situação e para facilitar aos advogados o acesso à sede do julgamento".

Os acusados permaneceram sob custódia dos EUA desde que foram aprisionados na base de Cropper Camp, nas cercanias do aeroporto de Bagdá.

Aziz e os outros detidos, entre eles o primo de Saddam e ex-ministro da Defesa Ali Hassan al-Majid, mais conhecido como "Ali Químico", enfrentam a acusação de ter ordenado a execução de 42 comerciantes iraquianos que supostamente decidiram subir os preços após a crise gerada pela Guerra do Golfo.

Os comerciantes, que vendiam bens de primeira necessidade, foram julgados em processo sumaríssimo por um tribunal de segurança nacional e tiveram o direito de apelar da sentença de morte negado.

Aziz, de 72 anos, foi o arquiteto da política externa do regime de Saddam, executado em dezembro de 2006, após ter sido declarado culpado de crimes contra a humanidade. EFE am/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.