Juíza diz que testemunha viu Sarkozy receber dinheiro ilegal

Governo francês volta a negar que campanha do líder tenha sido financiada irregularmente por herdeira da L'Oréal

iG São Paulo |

Um livro escrito por dois jornalistas franceses promete reascender o escândalo envolvendo o governo da França e a herdeira da gigante dos cosméticos L’Oréal, Liliane Bettencourt. Em depoimento publicado na obra, que será lançada nesta quinta-feira, a juíza Isabelle Prévost-Desprez afirma que uma testemunha-chave do caso viu o presidente francês, Nicolas Sarkozy, receber envelopes com dinheiro de Liliane antes de sua eleição, em 2007.

O escândalo veio à tona em 2010, quando foram divulgadas gravações nas quais Liliane conversava com assessores sobre fraudes ficais e doações ilegais à campanha presidencial de Sarkozy, liderada por Eric Woerth, que por causa do escândalo teve de renunciar ao cargo de ministro do Orçamento.

Na época, a antiga contadora de Liliane, Claire Thiboult, assegurou que Woerth tinha recebido um total de 150 mil de euros com destino à campanha das eleições presidenciais que levaram Sarkozy ao poder.

Na quinta-feira, o jornal Liberátion antecipou trechos do livro “Sarko m’a tuer”, escrito por dois jornalistas do Le Monde, Gérar Davet e Fabrice Lhomme, um dia antes de seu lançamento.

A obra inclui depoimentos da juíza Isabelle, que instruiu o processo mas o deixou em 2010, quando foi transferida para o Tribunal Correcional de Bordeaux. "Era necessário me tirar do caso de qualquer maneira. Era imperativo que eu saísse da investigação", disse a juíza aos autores do livro.

Segundo os trechos antecipados pelo Libération, a juíza disse que muitas testemunhas “tinham medo de falar sobre Sarkozy no processo”, mas que uma delas contou, fora do depoimento formal, ter visto o presidente “recebendo dinheiro”. As informações teriam sido dadas pela enfermeira da herdeira da L’Oréal.

O governo francês negou as acusações feiras por Isabelle no livro, classificando-as de “escandalosas, infundadas e falsas”.

Liliane Bettencourt, 88 anos, é a mulher mais rica da França, com uma fortuna de 16 bilhões de euros. As gravações foram feitas por seu mordomo a partir de uma briga familiar : sua filha única, Françoise, a acusou de dilapidar a fortuna da família em benefício do fotógrafo François Marie Banier, seu protegido.

Com AFP e EFE

    Leia tudo sobre: françasarkozyl'oréalescândalodoação ilegal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG