Juiz recebe primeiros relatórios da comissão que investiga acidente em Madri

Madri, 26 ago (EFE).- O juiz responsável pela causa do acidente aéreo ocorrida na quarta-feira no aeroporto de Barajas, em Madri, recebeu hoje os primeiros relatórios da comissão de investigação das causas da tragédia, que deixou 154 mortos, entre eles o brasileiro Ronaldo Gomes Silva.

EFE |

Fontes jurídicas disseram à Agência Efe que o juiz Juan Javier Pérez, titular do 11º Tribunal de Instrução de Madri, recebeu os membros da comissão independente criada pelo Governo para esclarecer as causas da tragédia.

Segundo as fontes, os membros da comissão colocaram ao juiz vários pedidos para levar adiante o trabalho, sobre os quais não derma mais detalhes e aos quais o magistrado respondeu oferecendo todo o apoio e a colaboração de seu tribunal.

A comissão, subordinada à Secretaria-Geral de Transportes do Ministério de Infra-estrutura espanhol, é formada por vários técnicos independentes que deverão reunir todos os dados do acidente para tentar esclarecer suas causas e determinar responsabilidades.

Os responsáveis da comissão darão nas próximas horas uma entrevista coletiva na sede do Ministério de Infra-estrutura na qual informarão sobre o procedimento seguido neste tipo de investigação e os mecanismos iniciados após o acidente.

Enquanto isso, o juiz continua supervisionando os trabalhos de identificação dos cadáveres, e para isso vai várias vezes ao dia até o cemitério de La Almudena.

Ainda há 49 cadáveres não identificados, segundo os últimos dados oferecidos às famílias pelas autoridades.

A Procuradoria Geral do Estado pediu hoje que as vítimas e a sociedade em geral tenham "plena confiança na atuação policial e judicial, frente a qualquer conjetura".

Essas declarações da Procuradoria foram feitas em comunicado tornado público "à vista das supostas informações e comentários divulgados, singularmente em algum meio estrangeiro", sobre a tragédia.

Embora não tenha citado expressamente, a Procuradoria se referia, entre outras informações, a uma divulgada pela rede argentina "Todo Noticias", que afirmava ter tido acesso à última conversa entre o piloto e o co-piloto da aeronave da Spanair acidentada.

Segundo a transcrição oferecida essa televisão, cuja autenticidade foi descartada pela comissão de investigação do acidente, os pilotos falam, entre outros, sobre fogo em um motor. O vídeo da decolagem que foi incorporado ao sumário mostra que não houve nenhum incêndio antes que o avião batesse contra o chão.

A Procuradoria lembrou que "as causas do acidente e, no caso, as responsabilidades derivadas do mesmo a que houver lugar estão sendo objeto de uma complexa e minuciosa investigação judicial". EFE nac/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG