Juiz ordena exame psicológico de homem que decapitou passageiro no Canadá

Toronto (Canadá), 5 ago (EFE) - Um juiz canadense ordenou um exame psiquiátrico de Vince Weiguang Li, acusado pela Polícia de assassinar e decapitar seu companheiro de assento em um ônibus, depois de ter dito, perante o tribunal, que queria que alguém o matasse. Li, de 40 anos, compareceu hoje pela segunda vez, desde que foi detido na quinta-feira passada, perante um juiz da localidade de Portage la Prairie, no centro do país. Após uma hora, durante a qual o promotor descreveu o que ocorreu no ônibus, o juiz ofereceu a Li a oportunidade de falar, mas o acusado se limitou a sussurrar por favor, me matem, informou o canal de televisão canadense CTV. O juiz ordenou que Li seja avaliado psicologicamente, o que acontecerá a partir da próxima quinta-feira. O acusado deve comparecer de novo perante o juiz no dia 8 de setembro.

EFE |

Tanto hoje quanto na última sexta-feira, ele recusou a representação por um advogado.

O promotor disse hoje que Li permaneceu no ônibus rodeado pela Polícia durante quatro horas, após assassinar a punhaladas e decapitar Tim McLean, de 22 anos, que voltava para casa na cidade de Winnipeg.

De acordo com o promotor, quando foi finalmente detido, depois de ter quebrado uma das janelas do ônibus, Li arremessou uma enorme faca e algumas tesouras e saltou do veículo para se entregar à Polícia.

Segundo testemunhas, Li atacou violentamente McLean, aparentemente sem nenhum motivo.

Garnet Caton, que viajava no ônibus atrás da vítima e do agressor, declarou que, após ouvir um grito, viu o assassino "de pé com uma faca de sobrevivência, apunhalando o outro passageiro 50 ou 60 vezes".

"Corri para o motorista e pedi que parasse o ônibus", afirmou.

"Todo mundo desceu, enquanto o agressor, com toda a calma do mundo, cortava a vítima", acrescentou a testemunha.

Durante o fim de semana apareceu na internet uma gravação policial na qual se dá a entender que, após o assassinato e enquanto permanecia dentro do ônibus rodeado pela Polícia, Li esquartejou e comeu parte do corpo de McLean.

Na fita de áudio, é possível ouvir um agente dizer que Li tem em seu poder um par de tesouras e uma enorme faca e que "está profanando o corpo neste momento".

E depois, nesta mesma gravação, que o assassino "está na parte traseira do ônibus, cortando pedaços e comendo-os".

Conhecidos de Li, que emigrou para o Canadá em 2004 vindo da China e trabalhou entregando jornais e em um restaurante da rede McDonalds, assinalaram que o acusado sempre se mostrou como um homem agradável e trabalhador. EFE jcr/bm/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG