Juiz libera 3 coronéis detidos para investigação por manifestação

Os três foram os primeiro detidos após crise em que manifestantes detiveram o presidente Rafael Correa

EFE |

Quito, 2 out (EFE).- Um juiz equatoriano libertou hoje os três coronéis que foram detidos preventivamente para investigação pela crise suscitada na quinta-feira após o protesto de policiais em rejeição à eliminação de incentivos salariais.


Marco Freire, promotor da província de Pichincha, cuja capital é Quito, indicou por telefone à Agência Efe que o juiz, depois de argumentar vários aspectos jurídicos, "substituiu a medida: em vez da prisão preventiva, ordenou que não se ausentem do país, se apresentem a cada 15 dias e proibiu a alienação de bens".

O chefe de Estado, Rafael Correa, denunciou que a manifestação de quinta-feira foi manipulada por interessados em desestabilizar a democracia e assassiná-lo.Os três coronéis da Polícia do Equador foram os primeiros detidos pelos protestos onde policiais rebeldes mantiveram Correa retido, durante quase toda a quinta-feira, em um hospital onde chegou após tentar dialogar com os policiais rebelados.

O líder foi libertado por um contingente de militares e policiais de elite fiéis ao Governo, mas durante os distúrbios em todo o país um total de oito pessoas morreram e 274 ficaram feridas, segundo o Ministério da Saúde.

    Leia tudo sobre: coronéisEquador

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG