Beirute, 2 jun (EFE).- O juiz libanês Sakr Sakr acusou hoje oito pessoas, seis detidas e duas em paradeiro desconhecido, por colaborar com Israel, informou a Rádio Líbano.

A emissora disse que uma destas pessoas foi acusada de traficar drogas com Israel, fornecer informações sobre alvos civis e militares, assim como sobre personalidades libanesas, e entrar em território israelense.

As outras pessoas foram acusadas por crime de colaboração com Israel.

Ontem, outras três pessoas foram acusadas desses crimes e, se forem consideradas culpadas, podem ser condenadas à morte ou à prisão perpétua.

Além disso, a imprensa local anunciou hoje que um cidadão egípcio e um professor foram detidos nas últimas horas por supostamente fazer parte de redes de espionagem pró-israelenses.

A identidade destas pessoas não foi informada, mas se sabe que o egípcio foi detido na localidade de Aita al-Shaab, por suspeita de trabalhar para o Mossad (serviço de espionagem israelense).

O professor foi detido na cidade de Qsseibe, e foram encontrados na casa dele um computador e outros materiais que utilizaria para se comunicar com seus contatos em Israel.

O jornal "As Safir" informou hoje, citando fontes policiais, que as investigações realizadas com Jawdat Hakim, atualmente detido, revelaram seu envolvimento na morte de Ghaleb Awali, um responsável do Hisbolá assassinado em um atentado com carro-bomba em 2004.

Também admitiu que morou no sul do Líbano durante o conflito de 2006 e que forneceu informações a Israel sobre posições do Exército e do Hisbolá.

O jornal "Al-Akhbar", citando fontes não identificadas, afirmou que o coronel detido, Chajid Tumiye, confessou durante seu interrogatório que espionava para Israel desde meados dos anos 90 e que tinha dado informações sobre os Exércitos libanês e sírio, assim como sobre o Hisbolá.

Nas últimas semanas, foram descobertas no Líbano várias redes que espionavam para Israel e houve a detenção de dezenas de pessoas, entre elas vários militares do Exército libanês de alta categoria.

EFE ks/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.