Nova Délhi, 11 dez (EFE).- Um juiz de Mumbai ampliou hoje para 24 de dezembro o prazo de detenção preventiva do único suposto terrorista capturado vivo durante os ataques no final de novembro nesta cidade do oeste da Índia, informou hoje uma fonte judicial.

Mohammed Ajmal Amir (conhecido como Kasab) deveria comparecer hoje a um tribunal de Mumbai, mas a Polícia decidiu não deixá-lo sair do local onde está preso, disse à agência índia "Ians" o comissário adjunto Rakesh Maria.

Um magistrado teve de ir à prisão situada no interior da delegacia de Mumbai, a apenas um quilômetro da estação de trens Chhatrapati Shivaji Terminus, um dos pontos atacados por Amir e seus nove companheiros.

O juiz determinou a ampliação do prazo de custódia policial por outros 14 dias para o suposto terrorista, quem segundo a agencia "PTI" ainda não tem um advogado de defesa.

Amir, cidadão paquistanês segundo as autoridades, enfrenta as acusações de fazer guerra contra a Índia, assassinato, tentativa de assassinato e violação da Lei de Armas e Explosivos.

Ele é o único terrorista detido com vida pelas forças de segurança, que mataram os demais terroristas durante a operação executada por um período de 60 horas em diferentes pontos de Mumbai.

EFE daa/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.