Juiz dos EUA ordena libertação de prisioneiro sírio de Guantánamo

Um juiz federal ordenou a libertação de um prisioneiro sírio detido na base americana de Guantánamo (Cuba). A autoridade argumenta que sua prisão, depois de meses sendo torturado pela Al Qaeda e pelos talibãs vai contra o senso comum.

AFP |

Segundo documentos do tribunal obtidos nesta terça-feira pela AFP, o juiz Richard Leon ordenou que a administração americana tome todas as iniciativas diplomáticas possíveis para facilitar a imediata libertação de Abdulrahim al-Ginco.

O governo afirma que a participação de Al-Ginco em atividades da rede Al Qaeda e dos talibãs no Afeganistão - onde ele supostamente teria recebido treinamento em campos extremistas para atacar alvos americanos - era suficiente para demostrar que se tratava de uma ameaça terrorista.

Entretanto, em uma audiência a portas fechadas em maio, os promotores argumentaram que qualquer vínculo que Al-Ginco possa ter tido com a Al Qaeda ou com os talibãs terminou depois que ele foi preso e torturado por estes grupos, que o acusaram de ser um espião dos Estados Unidos.


Leia mais sobre Guantánamo

    Leia tudo sobre: al-qaedaguantánamoterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG